HS_lauda_07-08

Consórcio de veículos pesados, saiba como funciona!

Você sabia que é possível conquistar uma frota nova para você ou para a sua empresa com a HS Consórcios? O consórcio de veículos pesados é uma excelente alternativa para quem busca liberdade de escolha, prazos, ausência de juros e muitas outras vantagens.

De acordo com a ABAC, Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio, o consórcio de veículos pesados dobrou entre 2008 e 2018, com a comercialização de mais de 10 bilhões em cotas neste período, sendo 2018 o ano que apresentou os melhores resultados em venda de consórcio desde o início do segmento. Os veículos pesados ocupam ainda o terceiro lugar no faturamento das cotas, posição ocupada anteriormente pelo segmento de motocicletas.

Entre as principais vantagens de ter uma frota própria para a empresa, está a gestão de equipamentos e funcionários com o objetivo de diminuir os custos com terceiros, agregando um maior valor aos bens da empresa.

Assim como as modalidades mais populares de imóvel e veículos particulares, o consórcio para veículos pesados traz vantagens como valor do veículo 100% parcelado, ausência de juros, flexibilidade de escolha entre marca, modelo e local de compra do veículo. Caso você ou sua empresa já tenham um veículo pesado, podem usá-lo ainda como lance para aumentar as suas chances de contemplação. Outra possibilidade é o pagamento de mais de uma carta de crédito para aquisição do veículo, já que o valor pode ser mais alto que a carta e é possível reunir mais de uma cota contemplada para a compra.

Acompanhe os próximos tópicos e entenda as principais vantagens de adquirir veículos pesados através do consórcio.

 1. Flexibilidade de compra

Com o consórcio você tem liberdade de escolha do seu veículo com a possibilidade de escolher o modelo ou marca que você desejar. Possui também poder de compra e negociação já que a carta contemplada é o mesmo que comprar com dinheiro a vista.

2. Ausência de entrada e juros

Fazendo um planejamento de compra com o consórcio, você parcela 100% do valor da carta de crédito, já que ela não possui entrada. Quem é empresário sabe dos riscos e perigos dos empréstimos que cobram juros exorbitantes. A ausência de juros é outra vantagem possibilitada pelo sistema de financiamento coletivo realizado pelo consórcio. As taxas são compostas por fundo de reserva e taxa da administradora, sendo optativo o pagamento de seguro e você tem a possibilidade de investir o seu dinheiro de forma inteligente.

3. Meia parcela até a contemplação

Ao escolher o plano ideal para você, existe também a possibilidade de pagar meia parcela até a contemplação do consórcio. Assim, caso você esteja pagando outra cota ou investindo o seu dinheiro de alguma forma, a aquisição do novo veículo não pesa no seu bolso e é possível, através do planejamento financeiro, conquistar seus objetivos.

4. Valor atualizado da carta de crédito

Outra vantagem importante do consórcio, é a atualização do valor do crédito conforme as regras estabelecidas em contrato. A administradora define uma regra de correção que pode ser baseada nos valores das montadoras ou até mesmo da tabela FIPE. O crédito, assim como as parcelas, passam por correção apenas enquanto a carta de crédito não é contemplada, possibilitando ao consorciado que ele tenha um valor atualizado para a compra do veículo do seu desejo. Após a contemplação, o valor deixa de ser atualizado e passa a ter rendimento financeiro até a utilização pelo consorciado.

Esclareceu suas dúvidas? Acesse o nosso site e simule o crédito para o seu veículo pesado hsconsorcios.com.br/simulador.

 

HS_card_10-07

Planejamento financeiro: 5 dicas valiosas para a organização dos jovens

A educação financeira é um tema muitas vezes subestimado pelas pessoas, apesar de ser essencial para o crescimento dos jovens. A fase da juventude é o momento em que se decide ou se começa a pensar no futuro. O primeiro emprego, a faculdade ou curso técnico e a construção de uma carreira profissional, permeiam as decisões do rumo que se deseja seguir.

Naturalmente complexa, a fase da juventude é onde temos que começar a lidar com as questões financeiras e controle do seu próprio orçamento. Por este motivo indicamos que quanto mais cedo os pais envolvam os filhos nas questões financeiras da casa, mostrando como  funciona, quais os cuidados se deve ter e dando inclusive uma mesada, mesmo que seja um valor irrisório de acordo com as condições da família, antes ele vai ter noção do controle financeiro.

E porque isso é importante? O planejamento financeiro desde cedo, permite que os investimentos de médio e longo prazo possam ser realizados mesmo em uma fase da vida que geralmente se ganha pouco. Quanto mais cedo a pessoa aprende a lidar com as finanças, mais chances existem de garantir um futuro melhor.

 

Confira as dicas e comece o seu planejamento financeiro hoje mesmo!

 

  1. Faça uma lista dos seus gastos

Ter controle de como você está gastando o dinheiro e se ele está sendo aplicado de forma inteligente, é o primeiro passo para um planejamento financeiro eficiente. Você pode usar um caderno para anotar as despesas, uma planilha no excel ou até mesmo fazer uso de aplicativos que ajudam a controlar os gastos mensais. Registre o valor da sua renda mensal e vá anotando todas as contas pagas distinguindo as contas fixas como internet, por exemplo, dos supérfluos.

Todos os gastos como estudo, transporte e  alimentação também devem estar lançados no seu controle mensal, pois desta forma é possível analisar para onde o seu dinheiro está indo, de que forma é possível economizar e planejar os investimentos futuros.

 

  1. Corte gastos desnecessários

Faça uma análise da forma como você está gastando o seu dinheiro. Será que aquele lanche que você compra na faculdade não pode ser levado de casa? Uma marmita para as diferentes refeições ao longo do dia é uma excelente forma de economizar dinheiro.

Reveja seus planos de internet, telefone e outros gastos mensais. Você realmente precisa de determinado plano ou pode diminuir? Faça este questionamento para todos os gastos e pense formas de diminuí-los.

 

  1. Faça um planejamento

Agora que você já está controlando os seus gastos, é hora de planejar o que você vai fazer com o dinheiro. Se você tem dívidas ou prestações para se livrar, coloque no seu planejamento o tempo que vai levar para quitar as contas. Muitas pessoas se perdem em pequenas prestações e ao finalizar uma ao invés de guardar o dinheiro para investir nos seus objetivos, acaba fazendo novas contas com o dinheiro que “sobrou”.

Para que o planejamento financeiro dê certo, é essencial cortar gastos, mas isso não significa que você precisa diminuir sua qualidade de vida ou parar de se divertir, muito pelo contrário. O gasto pensado evita desperdícios e faz com que você gaste dinheiro no que realmente importa, como conquistar seu primeiro carro, ou começar a pagar uma casa ou apartamento.

 

  1. Defina metas para curto, médio e longo prazo

O que você deseja para daqui a 6 meses, 5 e 10 anos? Defina no papel as suas metas, e a forma como você deseja conquistá-las. Ao longo do tempo seus objetivos podem ser reajustados (sempre para melhor), mas nunca esquecidos ou deixadas de lado. Estabeleça o valor necessário e o tempo que você vai levar para atingir determinada meta.

Caso você tenha dificuldades para guardar dinheiro por conta própria, ou fica insatisfeito com o rendimento de uma poupança, o consórcio é a melhor forma de atingir seus objetivos seja para a compra de um imóvel, veículo ou como um investimento para outras conquistas. Com as facilidades da HS Consórcios, é possível ainda pagar apenas meia parcela até a contemplação o que não compromete toda a sua renda e você não precisa dar entrada. Assim, desde cedo, é possível pensar nos investimentos a longo prazo. Para fazer uma simulação ou falar com um dos nossos corretores autorizados, clique aqui.

  1. Guarde dinheiro e invista

O termômetro do sucesso do seu planejamento financeiro vai ser determinado se ao fim do mês, você tiver conseguido quitar todas as suas contas e despesas pessoais e ainda tiver sobrado uma reserva de dinheiro. Esta reserva pode ser usada em caso de imprevistos ou para investimentos futuros, pois ainda que você ache que seja cedo demais para pensar em uma aposentadoria, a gente já adianta que não é! Quanto mais cedo você começar a pensar nisso, mais fácil será chegar nessa fase da vida com tranquilidade financeira.

 

Gostou das dicas? Compartilhe com os seus amigos e não esqueça de fazer uma simulação no site da HS Consórcios!

HS_lauda_17-07

Vantagens de fazer consórcio

O consórcio é uma modalidade financeira colaborativa onde um grupo de pessoas que possui um objetivo de compra semelhante (imóvel, veículo ou serviço), paga um valor mensal para realizar a compra do bem dentro das mesmas condições que os outros participantes do grupo. Após a contemplação, o valor é determinado para a compra de qualquer bem dentro do segmento escolhido previamente pelo consorciado.

Conheça as vantagens do consórcio, uma das modalidades financeiras que mais cresce no Brasil!

Compra programada

Com o consórcio você planeja a compra do seu bem imóvel ou automóvel a médio e longo prazo. Sem sobrecarregar o orçamento, ele possibilita a compra do bem entre o primeiro e último mês do período do consórcio que pode variar de 36 a 120 meses para veículo e de 100 a 200 meses para imóvel.

Compra sem juros

Com o sistema de consórcios você paga apenas a parcela mensal sem juros até o fim do seu plano. O pagamento da taxa administrativa é composta pelo fundo de reserva e taxa de manutenção da administradora, com a opção de pagamento do seguro.

Planejamento Financeiro

Para quem tem dificuldade em guardar dinheiro, o consórcio também é uma ótima opção já que ele se torna uma poupança “forçada” com o pagamento mensal e um rendimento superior a poupança. A HS Consórcios é a melhor opção, pois com o pagamento de meia parcela o valor mensal não compromete o orçamento e você consegue conquistar seus bens enquanto mora de aluguel ou faz outros tipos de investimentos.

Parcelas e prazos

O consórcio é uma forma de adquirir um bem com parcelas que cabem no seu bolso já que você pode escolher a cota de acordo com seu objetivo e possibilidade de investimento. Os prazos de 36 a 200 meses variam de acordo com o segmento da carta de crédito (imóvel ou veículo) e  não comprometem o seu orçamento.

Livre escolha

Dentro do segmento de veículos, você pode adquirir carros, camionetas, utilitários, motocicletas, motonetas, caminhões e ônibus de todas as marcas de modelo com até 10 anos de uso. No segmento de imóveis, casa e apartamento na localização de sua preferência, imóvel comercial, terrenos e reforma de imóvel estão dentro das possibilidades de compra.

Uso do FGTS

O Fundo de Garantia por tempo de serviço – FGTS pode ser usado na modalidade de consórcios de imóveis, na compra de imóveis residenciais e de acordo com as regras estabelecidas pela Caixa Econômica Federal. O FGTS Pode ser utilizado como lance ou para amortizar os valores das parcelas.

Poder de compra

A carta de crédito contemplada possibilita a negociação do seu bem à vista, podendo desta forma obter possíveis descontos, garantindo um maior poder de compra.

Gostou das dicas? Acesse o nosso site aqui e faça uma simulação agora mesmo!

HS_lauda_20-06

Dicas para a escolha da mão de obra na sua construção

A mão de obra é responsável por boa parte do orçamento de uma obra e está diretamente ligada a produtividade e desperdícios de material. Por este motivo, sua escolha deve ser muito bem pensada para evitar problemas no andamento da construção ou reforma do seu sonho! Controlar o orçamento, encontrar os fornecedores para suas necessidades e mão de obra especializada são os fatores mais importantes a se considerar ao realizar uma construção.

Nós já falamos aqui sobre as vantagens e desvantagens de construir ou comprar um imóvel pronto. Caso você prefira construir e fazer tudo do jeitinho que você sempre sonhou, a gente te ajuda a escolher uma das partes mais importantes.

Ao escolher o local onde você vai construir, certamente serão levados em conta diversos fatores como localização e valor de compra do terreno. Com a contratação da mão de obra, em hipótese alguma deve ser levado em consideração apenas o valor. Bons empreiteiros tratam com honestidade as horas trabalhadas, não desperdiçam materiais e não somem no meio da obra. Por estes e outros motivos, ter conhecimento sobre a equipe como locais onde a mesma já trabalhou, tipos de serviços realizados, indicação de amigos, entre outros, são quesitos muito importantes.

Por onde começar?

Primeiramente, peça referências. Além da indicação de seus amigos em que você terá acesso aos locais das obras realizadas para verificar se o serviço ficou da maneira como foi acordado, você também pode solicitar referências diretamente com a empresa que você está conhecendo para a realização da obra. Ir até os locais e conversar com outros proprietários, é uma boa maneira de conhecer melhor o serviço da construtora. Prefira visitar locais com grau de dificuldade semelhante ao seu e questione sobre como foram os prazos de entrega, além dos custos orçados e finais.

Esteja atento ainda às especificações da equipe. Se eles serão contratados para realizar toda a obra, ou seja, do alicerce aos acabamentos finais como a pintura, certifique-se que a empresa oferece uma equipe especializada, em que haja pedreiros, colocadores de piso, pintores, etc. É importante que os profissionais estejam habilitados para exercer cada um a sua função, já que a falta de especialização implica em acabamentos mal feitos e serviços que acabam tendo que ser refeitos.

Tenha um projeto

Ter um projeto, mesmo que simplificado, é uma excelente forma de prever os custos do trabalho e orientar a equipe sobre a execução da obra. Ainda que você tenha contratado um arquiteto para fazer o projeto, mas não para acompanhar a construção, a equipe de mão de obra costuma ter alguém responsável pela execução e que terá conhecimento para compreender o projeto onde deve constar a descrição de todos os serviços como rede hidráulica, elétrica, possíveis instalações de gás e todo o restante.

Caso sua obra seja executada por um arquiteto ou engenheiro, esses profissionais costumam ter conhecimento de boas equipes para o serviço de construção e podem ajudar na escolha.

Outra forma de contratar a mão de obra é conforme o andamento da obra. Há quem prefira contratar diferentes profissionais para cada etapa, conforme o orçamento vá permitindo, mas este tipo de demanda requer um controle maior durante a obra para verificar se os serviços estão sendo executados da forma certa.

Uma vez que você tenha escolhido os profissionais, firme um contrato para que as partes estejam cientes de suas obrigações. Ao acompanhar a sua construção, procure manter um equilíbrio para não sufocar os profissionais, e seja firme se precisar fazer solicitações ou reparos em alguma parte da obra, mantendo um clima agradável para o trabalho dos profissionais.

Decidiu por construir ou reformar: Faça uma simulação no site da HS Consórcios para o segmento de imóveis e comece a planejar agora mesmo!

HS_lauda_10-06

Confira nossas dicas e planeje uma aposentadoria tranquila!

Seja com o objetivo de conquistar bens para usufruir a médio prazo, ou pensando em investimentos futuros, o consórcio é uma excelente modalidade para quem faz um planejamento financeiro realista e analisa as oportunidades mais vantajosas. Se você está apenas no começo da sua vida profissional, a gente já adianta que esta é a melhor hora para começar a pensar no futuro. Se este não é o seu caso, não se preocupe! Nunca é tarde para investir nos seus objetivos de vida.

Começando um investimento

Ter boas estratégias financeiras e aumentar o patrimônio com o objetivo de ter uma tranquilidade na aposentadoria, certamente é o objetivo de quase todos. Com planejamento, o consórcio é ideal para investimentos de médio e longo prazo, portanto quanto mais cedo se começa a pensar no futuro, antes se começa a colher os frutos dos investimentos. Apostar em investimentos imobiliários como a compra de terrenos e imóveis como casas ou apartamentos vai te trazer toda a lucratividade que o mercado imobiliário pode oferecer. Por isso, preste atenção em nossas dicas e esteja atento para aproveitar seu investimento da melhor forma!

Compre imóveis

 

A compra de uma casa ou apartamento possibilita mais de uma opção de investimento. Você pode obter renda através de aluguel ou da revenda desses imóveis. Com o aluguel é possível complementar a sua renda, pagar as parcelas de um novo consórcio e pode ainda guardar dinheiro com o objetivo de ofertar lances, ou quitar um consórcio já contemplado. Com a ajuda da HS Consórcios e a possibilidade de pagar meia parcela até a contemplação, é possível pagar mais de uma cota e ir construindo o seu patrimônio aos poucos.

Com o objetivo de obter a valorização dos imóveis, algumas pessoas preferem comprar um bem que precise de reforma, já que ele é vendido por um valor abaixo de mercado e obtém valorização após as melhorias realizadas. Para isso,  é importante ter o acompanhamento de um profissional de confiança que vai te ajudar nos cálculos da reforma para avaliar se o investimento vai trazer um retorno vantajoso. Caso você prefira um negócio mais tranquilo, compre imóveis em locais com projeção de crescimento, com objetivo de ter mais lucratividade para a venda.

Invista em terrenos

Com a carta contemplada para o segmento de imóveis você também pode comprar terrenos em bairros novos, condomínios e locais com possibilidade de desenvolvimento, ou seja, que estejam bem localizados, próximos ou de fácil acesso a escolas, supermercados e indústrias. Este é um excelente investimento a considerar já que existem grandes chances de uma alta valorização. Lugares que estejam ainda em processo de urbanização, tendem a ser mais baratos no início, com projeção de valorização para um futuro próximo, o que garante vendas lucrativas.

 

Independentemente do modelo de negócio que você deseja investir, esteja atento às tendências do mercado e da localização do imóvel, pois ela faz toda a diferença.

Confira as vantagens do consórcio e comece hoje a investir no seu futuro. Faça uma simulação no site.

 

HS_lauda_24-05

Saiba como organizar seu escritório em casa

O Home Office já é uma realidade no Brasil. Prática muito comum em países desenvolvidos como os Estados Unidos, a possibilidade vem sendo disponibilizada por diversas empresas por aqui. Para quem tem empresa própria e trabalha em casa já sabe que isso pode trazer prós e contras, mas ter um espaço adequado ao trabalho dentro de casa já é, sem dúvidas, meio caminho andado para dar certo!

Um lugar próprio para o trabalho é bom para evitar distrações, mas ainda assim o seu espaço deve ser confortável com atrativos que ajudem a manter uma boa produtividade, já que evitar que a rotina da casa atrapalhe o seu trabalho deve ser o seu maior objetivo.

  1. Não exagere na produção

Móveis muito ousados podem não ser práticos. Prefira peças minimalistas que mantenham uma boa funcionalidade para guardar os materiais de trabalho de forma organizada. Elementos visuais podem ajudar a estimular a criatividade, porém em excesso podem fazer o trabalho inverso. Por isso, neste quesito menos é mais. Procure sempre o equilíbrio.

2. Invista em uma cadeira confortável

Quem trabalha horas a fio em frente a um computador sabe que uma das maiores dificuldades de estar sentado durante um dia inteiro é permanecer sem dores nas costas e pernas. Além de uma cadeira de qualidade, ajustar a altura e ter um bom apoio para os pés vai te manter mais confortável e evitar problemas de saúde futuros. A postura corporal também deve ser observada,  e de preferência o antebraço deve estar em posição paralela ao chão na hora de digitar. O monitor deve estar de uma forma que você não precise movimentar a cabeça para enxergar todas as informações da tela.

3. Iluminação

A iluminação é um fator muito importante, mas não deve ser exagerada. Um pouco de luz natural é importante inclusive para se manter acordado. Por isso, estar perto de uma janela com luz solar controlada e a vista da rua é importante também para espairecer quando necessário. Para a iluminação artificial, além das luzes do ambiente, uma luz na bancada deixa o ambiente mais bonito e pode ser o suficiente para manter a claridade, dependendo do seu espaço.

4. Organização

Tenha um armário ou prateleiras para organizar as suas coisas como documentos e outros tipos de papéis. Apesar de algumas pessoas terem aversão a este tipo de móvel, ele vai ajudar a manter tudo em seu lugar, de maneira que seja fácil de encontrar documentos e também pela própria organização do espaço.

5. Tenha um espaço confortável

Trabalhar por muitas horas sem descanso pode trazer prejuízos a sua saúde. Além de um bom espaço de trabalho, uma poltrona confortável para tirar uns minutinhos é uma boa opção para manter o bem estar e continuar produzindo. Plantas que sejam ideais para espaços internos trazem uma sensação de conforto ao ambiente.

6. Tenha um espaço diferente do que seria na empresa

A personalização do ambiente é muito importante. Tenha apenas os aparelhos eletrônicos que você realmente utiliza e tenha objetos como que tragam uma sensação de conforto como fotos de sua família, por exemplo. A ideia é trabalhar em casa, mas manter longe aquela cara de escritório. Ambientes confortáveis no ponto certo vão trazer estabilidade ao seu trabalho e sem dúvida vão melhorar a sua produtividade.

Mantenha o que você precisa no seu dia a dia ao alcance de suas mãos e se possível pense em ter até um frigobar em seu espaço para evitar que você precise circular muitas vezes pela casa durante o dia, já que outras coisas podem tirar o seu foco, mas a ideia não é ficar preso o dia todo no mesmo espaço. Saia para almoçar, para respirar e aliviar a mente, mas pense sempre no equilíbrio do seu dia. Sem dúvidas com organização a sua vida de home office vai fluir muito bem.

Precisando reformar ou construir um espaço para o escritório? Faça uma simulação para o segmento de imóvel em nosso site e comece a planejar.

HS_lauda_10-05

Saiba como ganhar dinheiro com o consórcio!

O consórcio é uma modalidade financeira vantajosa em diversos aspectos. De maneira geral, ele pode ser definido como um grupo de compras coletivas, em que pessoas que almejam um mesmo objetivo pagam uma parcela mensal para compra de um bem de determinado segmento. O consórcio é gerenciado por uma administradora que deve ser regulamentada pelo Banco Central do Brasil (BACEN).

Na questão financeira, ele se destaca em muitos aspectos. Um deles é a possibilidade de usá-lo como investimento. Esta é uma modalidade muito utilizada pelos usuários que já possuem bens e desejam investir sem riscos, além de ser uma maneira de se disciplinar financeiramente.

E quais as maneiras de ganhar dinheiro fazendo um consórcio?

Há primeira vista, existem duas formas de ganhar dinheiro com consórcio. Uma delas é a possibilidade de vender a carta de crédito depois da contemplação. Esta é uma possibilidade legal, prevista no artigo 13 da lei 11.795/2008, “Os direitos e obrigações decorrentes do contrato de participação em grupo de consórcio, por adesão, poderão ser transferidos a terceiros, mediante prévia anuência da administradora”. Ou seja, desde que as obrigações financeiras do consorciado estejam em dia com a administradora, é possível passar a carta a terceiros, sabendo também que as obrigações financeiras restantes previstas em contrato serão de responsabilidade do novo consorciado.

As transações de venda, documentação e transferência da carta de crédito serão realizadas pelo seu corretor autorizado da HS Consórcios, por isso não se preocupe. Caso você opte pela venda da carta contemplada, ele vai te ajudar em todo o processo.

O valor de venda do consórcio, pode variar se a sua cota já foi contemplada ou não. São considerados os reajustes realizados na carta de crédito, o valor já pago e mais o ágio, que se trata do lucro que você vai ter sob a operação financeira. De qualquer forma, seu corretor vai esclarecer as dúvidas e realizar a venda com tranquilidade e segurança.

Outra forma de ganhar dinheiro com consórcio é direcionar o seu investimento para o ramo imobiliário. Você pode destinar uma ou mais cotas para compra de imóveis que podem ser alugados, gerando uma renda extra.

Gostou das dicas? Faça uma simulação no site e comece a investir hoje mesmo!

HS_infografico_10-05

HS_lauda_22-04

Vai comprar ou vender um veículo?

Quando bate aquela dúvida do valor de compra ou venda de um veículo, sempre vai ter aquele amigo que indica, “consulta na FIPE”. Mas afinal, o que é a tabela FIPE, como é feito o seu cálculo e para que ela serve? Calma que a gente explica!

Geralmente a primeira busca pelo carro novo, ou a consulta do valor de venda de um veículo acontece na internet. As pessoas pesquisam em busca da opinião de outras pessoas na hora de escolher o veículo e procuram saber mais sobre o valor de venda com base na sua marca, ano, modelo, estado e opcionais.

A FIPE, sigla de Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, é responsável pela publicação mensal da atualização de valores de uma tabela com os preços médios de veículos (carros, motocicletas, caminhões, etc). Criada em 1973, a tabela FIPE serve de parâmetro para a consulta do valor médio de um veículo a partir de seu ano, modelo e marca, relacionando apenas estes três fatores. Outras questões como quilometragem, estado mecânico e lataria do veículo devem ser consideradas pelo vendedor ou comprador podendo variar o valor para mais ou para menos.

Com o objetivo de estabelecer um valor médio para as transações financeiras envolvendo veículos, a tabela FIPE serve como um instrumento baseado no valor de veículos novos, seminovos e usados como uma referência para situar os vendedores e os compradores do valor real de seu veículo.

Como a tabela funciona?

A construção da tabela é feita através da coleta de preços do mercado brasileiro relativo a carros, motocicletas, caminhões, ônibus e micro-ônibus novos, semi-novos e usados. A partir destes valores, os pesquisadores analisam estatisticamente os preços que possam estar muito acima ou abaixo da média, a marca, modelo e ano de fabricação. Depois de analisadas as diferenças, é estabelecida uma média, específica para cada carro, que compõem os valores apresentados na tabela FIPE.

Foi contemplado no consórcio e vai comprar o seu veículo novo? Consulte a tabela aqui .

Para comprar o seu carro novo sem pagar juros faça uma simulação no site https://hsconsorcios.com.br/simulador

 

HS_lauda_05-04

Saiba o que é, e como funciona o Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é o conjunto de instituições públicas e privadas, responsáveis pelo sistema financeiro do país. Estas instituições têm como objetivo intermediar recursos financeiros entre os agentes econômicos superavitários, ou seja, aqueles que possuem recursos que podem ser aplicados no mercado financeiro e deficitários, isto é, aqueles que não possuem recursos e precisam de dinheiro através de empréstimos.

Os superavitários são empresas e pessoas físicas que poupam recursos e obtém juros, enquanto os agentes econômicos deficitários são empresas, governos e pessoas físicas que antecipam o consumo de um bem através de um empréstimo.

O SFN é composto por quatro mercados. O Monetário, onde o Banco Central garante liquidez da economia conforme a necessidade de circulação de moeda. O mercado de Crédito, em que os bancos realizam intermediações financeiras. O mercado Cambial, é onde ocorrem as trocas de moeda local por moedas estrangeiras e vice versa, e o mercado de Capitais formado pela Bolsa de Valores, corretoras e outros agentes autorizados pela agência reguladora.

Composto por órgãos normativos responsáveis por criar normas e políticas, entidades supervisoras que são responsáveis por realizar a fiscalização às instituições financeiras e entidades operadoras que prestam serviços de intermediação financeira.

Em outras palavras, todas as transações que envolvam dinheiro são regulamentadas pelo Sistema Financeiro Nacional, que garante condições para o desenvolvimento do país. Os investidores compõe parte importante do SFN como um agente do sistema e por isso é tão importante para quem deseja fazer parte do mercado de investimentos, estar a par dos agentes reguladores e de todo o sistema que integra a estrutura do SFN.

Conheça a estrutura do Sistema Financeiro Nacional

Dos órgãos normativos, o CMN – Conselho Monetário Nacional é órgão máximo do Sistema financeiro. O CNSP – Conselho Nacional de Seguros Privados e o CNPC – Conselho Nacional de Previdência complementar.

O CMN é responsável por executar diretrizes para o bom funcionamento do sistema financeiro sendo responsável por formular as políticas da moeda e do crédito com o objetivo de criar estabilidade da moeda e o desenvolvimento do País. O objetivo do CNPS – Conselho Nacional de Seguros Privados é formular normas para os mercados de seguros, previdência aberta e capitalização. O CNPC – Conselho Nacional de Previdência Complementar cria normas para regular o sistema de previdência complementar fechado operacionalizado pelos fundos de pensão.

As entidades supervisoras do Sistema Financeiro Nacional são o Banco Central do Brasil, A CVM – Comissão de Valores Mobiliários, A SUSEP – Superintendência de Seguros Privados e a PREVIC – Superintendência Nacional de Previdência Complementar. São responsáveis por garantir que os clientes e os participantes do mercado sigam as regras definidas pelos órgãos normativos.

O Banco Central do Brasil é o maior controlador dos mercados monetário, de crédito e cambial e é responsável pelo controle da inflação. Opera regulando a quantidade de moeda em circulação garantindo a estabilidade dos preços, além de fiscalizar e supervisionar as instituições financeiras subordinadas.

A CVM – Comissão de Valores Mobiliários por sua vez é a responsável pelo mercado de capitais com o intuito de disciplinar, normatizar e desenvolver o mercado de valores mobiliários. A SUSEP – Superintendência de Seguros privados regulamenta o mercado de seguros, Previdência e Capitalização e sua missão é controlar e fiscalizar estes mercados. A PREVIC – Superintendência Nacional de Previdência Complementar tem por finalidade fiscalizar e supervisionar as Entidades Fechadas de Previdência, mais conhecidas como Fundos de Pensão.

Os operadores do sistema financeiro fiscalizados pelo Banco Central são os bancos comerciais, financeiras, empresas de leasing, administradoras de consórcio, corretoras de câmbio, entre outros. As entidades do mercado de Capitais fiscalizadas pela CVM – Comissão de Valores Mobiliários são as corretoras e distribuidoras de títulos e valores mobiliários e os fundos de investimentos. As seguradoras, empresas de previdência e capitalização são fiscalizadas pela SUSEP e as entidades fechadas de previdência complementar conhecidas com fundos de pensão são fiscalizadas pela PREVIC.

A HS Consórcios se encaixa entre as operadoras do sistema financeiro, sendo uma instituição devidamente regulamentada pelo Banco Central.

HS_infografico

Ficou interessado no mercado financeiro? Consulte um de nossos corretores autorizados e descubra como a gente pode te ajudar a se tornar um investidor.

https://www.hsconsorcios.com.br/onde-encontrar

 

 

HS_lauda_20-03

Compare as taxas de juros do financiamento com os custos do consórcio

Adquirir a primeira casa, trocar de imóvel ou comprar um novo veículo é o objetivo de muitos brasileiros. Porém, ao colocar os valores no papel, as taxas de juros podem assustar e fazer com que o sonho fique um pouco mais distante. Para quem não tem pressa de adquirir seus bens, uma opção mais viável é o consórcio. Sem juros e sem a necessidade de pagar entrada, com o consórcio basta fazer um planejamento do tempo que você deseja dispor para a aquisição.

Para ter uma ideia, de acordo com o Banco Central, a taxa média de juros do financiamento de imóveis em março de 2019, gira em torno de 10% e 12%. Enquanto isso, o consórcio cobra apenas uma taxa administrativa de em média 2%, sem a cobrança de juros. E os dados comprovam que esta tem sido uma alternativa muito procurada pelos brasileiros. Em 2018, o Sistema de Consórcio no Brasil teve uma adesão de 2,6 milhões de cotas, melhor resultado desde 2014 de acordo com a ABAC – Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio.

Como funciona?

Além de toda a facilidade de pagamento, o consórcio ainda possui pouca burocracia para a adesão. O consorciado escolhe o valor do bem que deseja adquirir, entre as cotas disponíveis na administradora escolhida. A HS Consórcios oferece ainda a possibilidade de pagamento de meia parcela até a contemplação, ou seja, é possível investir no futuro sem comprometer toda a renda. Esta é uma excelente possibilidade para quem paga aluguel, por exemplo, e não conseguiria pagar uma prestação de valor integral, já que dispõe parte de seu salário no pagamento da moradia atual.

Principais diferenças entre o consórcio e o financiamento:

Taxa de juros: Na adesão ao consórcio não há cobrança de juros nas prestações, apenas uma taxa que serve para a manutenção da administradora de consórcios. Com  financiamento, você paga juros em todas as prestações até o fim do prazo estabelecido em contrato. Em caso de compra de imóvel, em geral o período varia entre 20 e 30 anos.

Compra do bem: Seja em caso de imóvel, veículo ou serviço, com o consórcio a compra deve ser planejada para médio e longo prazo, já que a contemplação pode acontecer em qualquer momento dentro do período contratado. O financiamento garante a compra mais rápida do bem, mas também tem mais burocracia.

Entrada: Os bancos costumam cobrar 20% do valor do financiamento como entrada, enquanto com o consórcio não é necessário pagar entrada.

Burocracia: O financiamento bancário possui uma maior burocracia do que o consórcio. Para ter um financiamento aprovado, é preciso ter renda fixa comprovada, nome limpo além de toda a burocracia que envolve a compra do bem. Já para adesão de um consórcio são necessários apenas documentos de praxe para a assinatura do contrato.

Flyer_NOVO-2