Arquivos mensais: maio 2020

HS_lauda_22-05

Idade mínima para fazer um consórcio: conheça as regras

Fazer um consórcio significa planejar a realização dos seus objetivos. E o planejamento financeiro é algo muito importante de se colocar em prática o mais cedo possível. A partir do momento em que se tem renda, planejar significa ter responsabilidade sob seus ganhos e comprometimento com o futuro. Seja para você ou para a sua família, vamos te contar como funciona a titularidade do consórcio e quem pode ou não assinar o contrato.

 

Idade

O código civil brasileiro estabelece que para que qualquer pessoa física possa assinar um contrato, ela precisa ser considerada “plenamente capaz”, ou seja, precisa ter mais de 18 anos. Uma segunda opção é para os jovens maiores de 16 anos e menores de 18 que são considerados pelo código civil brasileiro como “relativamente capazes”, e podem assinar o contrato junto aos seus responsáveis.

Menores de 16 anos serão representados pelos pais ou tutores, ou seja, seu nome pode constar no contrato, mas são os seus responsáveis que vão assinar.

Em todas as modalidades, as situações são analisadas pela administradora, avaliando a capacidade de pagamento do menor ou dos pais na adesão do contrato.

Empresas

Em caso de empresas, o contrato deverá ser assinado pelo representante legal da empresa, como pessoa jurídica. A administradora deverá analisar o contrato social da pessoa jurídica para comprovar os poderes de representante.

Procuradores

O contrato do consórcio também pode ser assinado por procurador da pessoa física ou jurídica. Em caso de empresa, o mandato deve ter poder, concedido pelo dono ou sócios da empresa para isso. Em caso de pessoa física, é necessário que a procuração tenha expressamente os poderes do procurador para este fim.

Agora que você já sabe quais as regras para assinatura do contrato de acordo com a idade, comece a planejar a compra do seu carro, casa ou investimento. Independentemente da sua idade, a melhor forma de planejar é com a HS Consórcios.

Faça uma simulação escolhendo o valor do bem ou da parcela que deseja pagar. Acesse https://www.hsconsorcios.com.br/simulador

HS_lauda_07-05

Atrasei minha parcela, e agora?

Ao escolher o valor do consórcio de acordo com a sua necessidade para compra de uma casa, carro, reforma, entre outros, certamente você escolheu uma parcela confortável para o seu orçamento. Afinal, esta é uma das grandes vantagens do consórcio. Os prazos estendidos e a escolha do crédito a partir da melhor parcela, fazem parte da flexibilização da modalidade financeira.

Ainda assim, imprevistos podem acontecer e talvez em algum momento você não consiga pagar a sua mensalidade. O maior problema em relação a inadimplência no consórcio, está na manutenção do grupo, já que os consorciados dependem uns dos outros para a compra do seu bem. Mas e aí, o que acontece? Muitas dúvidas surgem nessa hora, mas estamos aqui para ajudar a esclarecê-las!

 

Procure a sua administradora

A nossa primeira dica é, converse com a sua administradora para verificar como ela pode te ajudar. Caso a sua dificuldade de pagamento se estenda por mais tempo e você ainda não foi contemplado, é possível baixar o valor do seu consórcio, diminuindo automaticamente o valor da parcela. Caso não seja mais viável fazer o pagamento de nenhum valor, é possível também transferir o seu consórcio para outra pessoa.

Como você sabe, a saúde financeira do grupo depende que todos os consorciados paguem em dia as suas mensalidades, para que até o fim do prazo do consórcio, todos tenham adquirido os seus bens. Parte da parcela paga mensalmente, é destinada ao fundo de reserva que serve justamente para este tipo de emergência, de forma que a falta de pagamento ou atraso de um consorciado não prejudique os demais. Por isso é muito importante que em caso de alguma dificuldade de pagamento, você informe o seu corretor para que juntos possam encontrar a melhor alternativa, evitando que o seu sonho seja prejudicado e a saúde financeira do grupo também.

A falta de pagamento pode ocasionar também na exclusão do grupo, de acordo com as regras estabelecidas em contrato. Desta forma, o consorciado continuará participando dos sorteios e receberá o valor pago no consórcio, quando ocorrer a contemplação.

 

Pagamento de juros e multa

A inadimplência implica o pagamento de juros de 1% ao mês e multa de 2% pelo período de atraso da parcela, sendo calculado pelo valor atualizado do bem ou serviço contratado.

 

Crédito contemplado

Caso o crédito já tenha sido contemplado, mas não tenha sido usado, o consorciado poderá ter a contemplação cancelada em Assembleia Geral.

Porém se o consorciado já tiver sido contemplado e tenha usado o crédito, poderá ter as garantias fornecidas a administradora, executadas, já que o bem fica em alienação como garantia. Além disso, não poderá votar nas Assembleias Gerais Extraordinárias.

A dica mais importante que podemos dar é assim que você perceber o problema, converse com o seu corretor ou diretamente com a administradora. Com certeza eles estarão dispostos a encontrar a melhor solução para o seu problema.